4zero4 – Música ou Anti-Música?

Música, segundo a Wikipedia:

“A música (do gregp μουσική τέχνη – musiké téchne, a arte das musas) é uma forma de arte que se constitui na combinação de vários sons e ritmos seguindo uma pré-organização ao longo do tempo”.

Como se pode perceber, é um conceito abstrato – tão abstrato que muitas vezes chega-se ao ponto de falar que o artista x não faz música, só barulho, ou ainda que o artista y não faz a menor idéia do que está fazendo, ou é doido, ou algo assim. Em comum entre os casos, apenas o fato de que é um som difícil. Difícil de explicar, difícil de reproduzir, difícil de ser entendido, porém, não necessariamente desagradável – muitas vezes é o oposto que acontece, o som difícil acaba sendo é muito bom. Esse foi meu caso com a 4zero4, um quarteto juizforano que anda fazendo algo muito diferente do que se vê na cidade.

Numa conversa com dois membros do grupo, Robert Anthony e Fred Fonseca, fiquei sabendo um pouco mais sobre o mesmo, e também sobre essa “nova” proposta músical. Segundo Fred: “o som é difícil de explicar. A gente vive uma questão de conceito no que é o 4zero4. Uns falam que é banda, outros que é grupo… mas a gente não consegue dar um rótulo justamente por a gente não querer ser nada; mas nesse “não ser nada” a gente pode ser tudo. Nossa música é muito versátil”.

Versatilidade realmente é uma característica da banda/grupo/something-something que se intitula 4zero4, e isso já se percebe na formação de cada um de seus membros. Robert é violonista por formação, Fred Baixista e os outro membro, Yago Franco é flautista por formação que trabalha com uma parte mais técnica do som.

Com um trabalho que envolve ferramentas que vão do analógico à sintetização digital de som, o som realizado traz um pouco da bagagem de cada um, mas segundo Fred, sem “atropelos”: “Cada um tem sua contribuição a dar. Como existe uma ausência de ego, um grande respeito por cada um, nós conseguimos sobrepor as influências de cada um, criando um produto final que realmente não é alguma forma padrão de se fazer som. O som é versátil, mas a formação que a gente apresenta não é. Teve apresentações em que a gente usou quatro computadores, outras em que usamos duas guitarras, né? A gente vai oscilando, adequando. A gente tenta chegar a uma síntese de alguma coisa coesa em cima de alguma proposta de trabalho que a gente vai criando, mas em si, o 4zero4 é essa materialização de possibilidades”.

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/176149018″ params=”auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true” width=”70%” height=”200″ iframe=”true” /]

IMPROVISO

 

foto: Brenda Marques

 

Como se pode perceber, as apresentações da banda não seguem um setlist definido. Segundo Robert, “a questão do improviso veio um pouco antes da idéia do projeto. Eu, Yago e Stanley, antes de chamarmos o Fred nos encontramos e ficamos horas improvisando. Quando nos juntamos ao Fred, resolvemos fazer de novo esse esquema. Nosso primeiro show foi um show de duas horas e dez minutos de improviso. Mas algumas outras vezes resolvemos fazer alguma coisa já predefinida e depois abrimos pro improviso”. Fred complementa dizendo que isso se tornou a identidade do grupo: “É claro que como qualquer tipo de uma união em uma causa, a gente tá se afinando cada vez mais, sempre tentando reproduzir, mas a versatilidade, a improvisação já tá criando uma identidade. A gente gosta de trabalhar com a experimentação pra conhecer a capacidade de cada um. É um processo orgânico. O 4zero4 talvez seja uma encubadora de idéias”. 

A experimentação é algo que é sempre presente, mas não necessariamente num nicho acadêmico da música contemporânea. Segundo Robert, “a questão da experiência vem muito da minha formação acadêmica, assim como a do Yago, mas nós procuramos não ficar apenas presos nesse nicho, tentamos criar um som que também envolva outros aspectos da música como um todo. Até agora, acho que estamos conseguindo”.  

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=AdrrmscyK3I&w=640&h=390]

E com uma proposta ousada, muitas vezes exótica, para dizer o mínimo, a 4zero4 continua realizando novas experiências, explorando novas formas de sonoridade, tentando sempre tirar seus ouvintes de suas zonas de conforto musicais. É bom? É ruim? Bom, depende de quem ouve. Mas o que é importante é ouvir, expandir os horizontes. Se dêem o direito. Vale à pena.

You May Also Like

0 thoughts on “4zero4 – Música ou Anti-Música?

  1. GOSTEI! GOSTO DESSE ESTILO. PARABÉNS AO GRUPO / BANDA . GOSTEI TAMBÉM DA FOTO.BEM ORIGINAL!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *